Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Aprenda a identificar o seu “eu” financeiro e descubra o seu perfil

Casal sentado em uma mesa de escritório fazendo cálculo para descobrir o seu perfil financeiro

Se você busca se educar financeiramente para aprender a usar o dinheiro com consciência, o primeiro passo é descobrir o seu perfil financeiro. Depois que você entende como se comporta diante do consumo, consegue diagnosticar a situação e planejar aonde quer chegar. 

Você pode achar que assumir as rédeas das finanças pessoais é algo complicado. Mas a verdade é que existe um método que tem ajudado milhares de pessoas nessa jornada rumo ao equilíbrio financeiro. 

E não se engane: esse desequilíbrio está presente em famílias de todas as classes sociais no Brasil, isso porque não temos o hábito de aprender sobre dinheiro desde a infância, assim como não fomos preparados para resistir aos apelos de consumo.  

O que queremos dizer é que, segundo a metodologia científica do comportamento financeiro DSOP, a desorganização com as contas nada tem a ver com o tamanho do seu salário. Na verdade, é a maneira como você aprendeu (ou não) a lidar com seus rendimentos que está impactando sua vida.

Mas, não se preocupe. Ainda há tempo de aprender a organizar a bagunça. A Sala do Investidor mostra como identificar o seu nível de desorganização e te ensina uma maneira prática, e bastante efetiva, de colocar tudo nos eixos.

Vem com a gente entender a primeira letra da metodologia DSOP: Diagnosticar!

Perfil financeiro: os 3 níveis do desequilíbrio

Para identificar o seu perfil financeiro, é preciso compreender qual o nível de desequilíbrio que você se encontra.

O PhD em educação financeira, Reinaldo Domingos, que desenvolveu a metodologia DSOP, acredita que vivemos em uma espécie de “epidemia” de desequilíbrio financeiro que afeta as pessoas em diferentes níveis. 

Por isso, em seu livro “Como identificar o seu ‘eu’ financeiro”, ele trata os graus de desorganização como sintomas. Vamos resumir esses “sintomas” para você identificar em qual deles se encaixa o seu perfil:

Sintomas leves

Aqui, a desorganização já afeta a qualidade de vida, ainda que de forma mais leve.Veja, nesse grupo estão pessoas que, por motivos bastante específicos, se descontrolam momentaneamente e precisam recorrer a um empréstimo.

No entanto, elas pagam a dívida sem maiores dificuldades e em pouco tempo conseguem se organizar novamente. Por exemplo, alguém infeliz no emprego que faz compras diariamente no horário de almoço para compensar a insatisfação.

Sintomas moderados

Nessa fase, o consumidor já perdeu o controle da situação e se enquadra no grupo dos consumistas. São aqueles que gastam absolutamente tudo o que ganham e não param até ver a conta zerada. 

Pessoas nesse grau de desequilíbrio financeiro estão sempre “enroladas” e, não raro, trocam de carro constantemente para pagar dívidas. Elas devem para parentes e amigos, mas não hesitam em comprar algo caro e desnecessário. Você certamente conhece alguém assim, não é mesmo?

Sintomas graves

No último nível de desequilíbrio financeiro, podemos citar aquelas pessoas que já anunciaram a “falência”. Em outras palavras, um sintoma grave é quando não se enxerga mais maneiras de quitar os seus débitos.

São pessoas que evoluíram da fase anterior e:

  1. estão com o nome negativado;
  2. não conseguem mais pagar os empréstimos; 
  3. têm dívidas no cartão de crédito e cheque especial. 

Nessa fase, compromete-se o sono e a saúde, pois existe risco de perda de bens materiais conquistados a muito custo, como imóveis e veículos.

Seja como for, existe método para sair de situações de aperto financeiro. Por isso, independente do seu perfil, se você se identificou com algum desses sintomas, vamos mostrar o primeiro passo para ajudar a organizar suas finanças.

Identificando seu perfil financeiro: o Diagnóstico

Quando você precisa arrumar o seu quarto, já tem em mente onde fica cada objeto, certo? Imaginemos as finanças como um cômodo da sua casa. Em meio à bagunça, você precisa entender qual é o lugar e o valor de cada objeto de consumo.

Afinal, só quem conhece bem a sua casa é capaz de guardar cada item em seu lugar, de acordo com sua importância e função, inclusive, descartando o que não serve mais. Com as finanças, acontece o mesmo. 

É preciso visualizar para onde vai cada centavo do seu dinheiro. Mas não apenas isso. Você deve ter na ponta do lápis exatamente o valor dos seus rendimentos. Isso também vale para profissionais autônomos, sem renda fixa.

E como a gente faz isso? A SDI também mostra o caminho.

Conheça bem seus rendimentos 

O primeiro passo, segundo recomendação da metodologia DSOP, é identificar cada entrada de dinheiro. Isso inclui:

  • Salário
  • Comissões
  • Bônus

Comece com o rendimento mensal. Se você tem renda variável, faça uma média do último trimestre. Reserve um caderno só para isso ou anote na agenda virtual todo o rendimento bruto. Veja o exemplo abaixo:

planilha explicando como anotar os rendimentos mensais
Reprodução do livro “Como encontrar o seu ‘eu’ financeiro”, de Reinaldo Domingos

Inclua um campo com os descontos que incidem sobre a sua renda, como INSS, IRPF, entre outros. Agora, anote o rendimento anual e não esqueça de acrescentar outras receitas, como 13º salário, férias etc. Faça a soma de tudo, aplique os descontos e veja o resultado.  

Não subestime esse processo. Muitas pessoas estão acostumadas a ver o rendimento mensal, mas ficam surpresas quando descobrem seu potencial de gerar renda em um ano. Por isso, para que esse diagnóstico funcione, é preciso que você seja fiel e o mais realista possível.

Olhe os gastos de perto

Você sabe exatamente para onde vai o seu dinheiro? Para encontrar o seu perfil financeiro, é preciso ir a fundo e entender como você se comporta diante do consumo. Para tanto, deve-se anotar cada um dos seus gastos; não se preocupe, porque isso não será para todo o sempre, conforme você verá adiante.

Na verdade, muita gente já registra as contas mais altas, como aluguel, prestação de carro, faculdade, entre outros. Mas se você quer realmente descobrir o seu “eu” financeiro, precisa ir além e anotar tudo o que consome para entender de que maneira você gasta.

E quando dissemos “tudo o que consome”, estamos nos referindo inclusive e principalmente às compras menores, pois é exatamente esse o ralo por onde o seu dinheiro está escoando.

Portanto, faça uma lista de todos os seus gastos diários e separe por categorias, como:

  • Transporte
  • Alimentação
  • Guloseimas
  • Gorjeta… 

Ao lado das categorias, anote a forma de pagamento. Faça isso todos os dias durante um mês. Se sua renda é variável, aumente o prazo para três meses. O importante é entender exatamente como e para onde está indo o seu dinheiro. Veja esse exemplo:

Exemplo de tabela para anotar as despesas com guloseimas
Reprodução do livro “Como encontrar o seu ‘eu’ financeiro”, de Reinaldo Domingos

Alerta de spoiler: você vai se surpreender quando descobrir o valor dos pequenos gastos.

Tenha paciência com o processo

Você pode achar que esse método é trabalhoso, mas a verdade é que não há complicação nenhuma: tudo é apenas questão de hábito. Não esqueça de que estamos falando de mudança de comportamento, portanto, a evolução não acontece da noite para o dia. 

É preciso ter paciência e resiliência. Se esqueceu ou teve preguiça de anotar em um dia, recomece e anote no dia seguinte. A regra é: apenas não desista.  

Depois desse período – de um a três meses – você terá em mãos o seu diagnóstico financeiro e poderá avaliar, microscópicamente, tanto o seu rendimento quanto o seu comportamento diante do consumo.

A partir daí, você verá a mudança acontecer, pois vai questionar alguns hábitos já enraizados, que sugam o seu dinheiro e não trazem nenhum crescimento para a sua vida.

Fazendo isso, você pode alcançar o próximo nível da metodologia DSOP e finalmente começar a sonhar!

Agora que você aprendeu a diagnosticar o seu perfil financeiro e como equilibrar os rendimentos com gastos e despesas, vem descobrir 6 passos testados e comprovados para pagar todas as dívidas!

*Este conteúdo foi produzido a partir do livro “Como identificar o seu ‘eu’ financeiro”, de Reinaldo Domingos, portanto, você não encontrará essas recomendações científicas em textos da internet.

Compartilhe:

Veja Mais:

A vida a dois é um passo natural pra muita gente mas, por mais que o amor seja forte, 46% dos casais brasileiros brigam por questões financeiras, segundo pesquisa realizada...
Se você está procurando entender de que maneira é possível usar o Fundo de Garantia de Tempo de Serviço (FGTS) no consórcio imobiliário, veio ao lugar certo. Esta tem sido...
Dúvida recorrente entre consorciados, afinal, tem como ser sorteado no consórcio, mesmo com as parcelas atrasadas? Se você fez um consórcio e teve dificuldades para pagar, existem algumas questões importantes...
Em tempos de instabilidade econômica, muitos empresários preferem aguardar a retomada de crescimento para só então investir na empresa. Mas todo empreendedor sabe que qualquer negócio necessita de capital de...
Conquistar a segurança financeira é o ponto de partida para realizar as suas conquistas. Não importa se você está começando a ganhar suas primeiras remunerações, construindo um patrimônio sólido ou...
Se você vem tentando descobrir como reduzir custos na sua empresa e aumentar o faturamento, mas tem encontrado dificuldades em meio ao cenário incerto que tomou conta do Brasil nos últimos...