Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

JUSTIÇA

Com dívidas de R$ 482 milhões, Subway pede recuperação judicial

Empresa foi excluída do processo de recuperação devido à colaboração com os credores, mas alguns mudaram de posição, levando à sua inclusão no pedido

Por Redação SDI

Interior da loja do subway

A rede de lanchonetes Subway entrou com um pedido de recuperação judicial na Justiça de São Paulo, conforme comunicado pela SouthRock, empresa responsável por gerir a marca no Brasil. 

A SouthRock também opera marcas como Starbucks, Eataly, TGI Fridays e Brasil Airport Restaurantes (Bar). O pedido de recuperação da Starbucks foi aceito pela Justiça no final do ano passado, mas a Subway havia sido excluída do processo em dezembro de 2023.

O pedido, feito na 1ª Vara de Falência e Recuperações Judiciais do Foro Central da Comarca de São Paulo, revela dívidas da Subway que chegam a R$ 482 milhões.

A SouthRock justifica a exclusão da Subway do pedido de recuperação da Starbucks em 2023, citando “a postura colaborativa até então adotada por relevante parte dos credores financeiros”. 

No entanto, a empresa afirma que a situação mudou, com um pequeno grupo de credores buscando a imediata satisfação de seus créditos, interrompendo as negociações amigáveis. Diante dessa mudança, a proprietária da marca nos Estados Unidos teria notificado a SouthRock, o que motivou o pedido de recuperação da Subway no Brasil.

Em nota à imprensa, a SouthRock esclareceu que o processo de recuperação judicial diz respeito ao grupo responsável pela gestão das franquias Subway no Brasil, não afetando os franqueados e operadores de lojas, que não estão incluídos no processo.

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Veja também:

Evento ficou abaixo das expectativas pelo segundo ano consecutivo
Em contrapartida, investimentos apresentaram queda no período
Volume de saques de janeiro a setembro perdeu apenas para o mesmo período de 2022
Vereador é alvo de operação sobre uso irregular da Agência Brasileira de Inteligência (Abin)
Altas taxas de juros dos financiamentos, endividamento e valorização de imóveis incentivaram procura pelo sistema
Empresa culpa juros altos, mas garante que vai ressarcir consumidores